"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." - Romanos 12:2

sábado, 21 de dezembro de 2013

Um exemplo de fé e superação

Alegre expectativa pairava no ar. Pais, avós e demais membros da família aguardavam do lado de fora do Centro Médico Riverside, na cidade de Bacolod, Filipinas, a notícia que estava prestes a ser divulgada. Finalmente veio o momento em que a garotinha, o primeiro bebê da casa, chegou ao mundo chorando muito. O nascimento de uma nova criança por si só traz alegria. Mas, junto com o contentamento, essa garotinha trouxe grandes preocupações a seus pais e avós: ela nasceu com ausência conata de parte de seu antebraço direito. Os pais a chamaram Mary Grace, como que para refletir a calma resignação e a serena fé da Maria bíblica, e para deixar implícito que aquele pequeno pedaço de gente era realmente um presente de Deus a eles, para ser criada em Seus caminhos segundo a Sua vontade.

Mary Grace Gellekanao vivia com a família e os avós na mesma casa. Os avós dedicaram seu amor à criança em desenvolvimento e não permitiram que a deficiência congênita lhe afetasse o futuro. Quando Grace revelou interesse por música e piano, sua avó considerou isso um desafio. Ela procurou um professor após outro; mas nenhum se dispunha a ensinar-lhe. Como poderia uma garota sem antebraço dominar um teclado? Mas tanto Grace quanto sua avó eram mulheres de fibra. Não eram do tipo que desanima facilmente. Após meses de busca, correndo a cidade de um lado a outro, sua persistência foi recompensada. Uma professora concordou em tomar parte no desafio e concordou em lecionar para Grace, que na época era apenas uma criança.

Hoje, 24 anos depois, Grace domina o piano. Ela pratica pelo menos quatro horas por dia e pode tocar muitas peças difíceis. Ela também toca órgão. Em 1994, Grace, incentivada por sua professora, Sra. Sylvia Javellana, apresentou um recital solo de órgão. Um ano depois, a instituição Voluntários para a Reabilitação dos Deficientes e Incapacitados daquele país organizou o primeiro recital solo de piano de Grace. Foi um sucesso, mas apenas o começo.

Em 1996, Grace começou uma turnê internacional e tem tido uma agenda lotada desde então, com estudos universitários e apresentações. Ela se graduou em maio de 2001 pela Universidade de St. La Salle, da cidade de Bacolod, obtendo o bacharelado em Psicologia. Grace espera utilizar seus talentos musicais para ajudar outros, especialmente pessoas com habilidades diferenciadas, como no seu caso, a se aceitarem como criaturas especiais de Deus, de modo que possam ter propósito na vida e ser produtivas. Atualmente Grace é voluntária no Movimento dos 1.000 Missionários das Filipinas.

Grace, quando você começou a interessar-se por música?

Quando tinha cerca de 6 anos. Tornei-me muito interessada em música e desejava tocar um instrumento. Então minha avó levou-me a sério e fez todo o possível até convencer uma professora de piano a aceitar-me. Meu avô estava mais do que disposto a apoiar-me financeiramente. Graças à sua confiança fui capaz de descobrir uma importante parte de mim mesma.

Você realmente descobriu um potencial oculto.

Graças a Deus e a meus entes queridos. Não demorou muito para que eu soubesse o que é a música e o que ela requer. Exige muita força de vontade e bastante prática. Dediquei tudo que podia a essa arte que tanto amo, e hoje sou capaz de tocar peças difíceis. Por incrivel que pareça, meu braço direito toca as partes mais difíceis da peça. Admito que às vezes dói, especialmente quando estou tocando uma peça com escalas muito rápidas. Mas digo a mim mesma que a dor que enfrento ao pressionar cada tecla é o que torna a música especial, diferente de todas as demais. O som do aplauso das pessoas me deixa entusiasmada porque sinto que as faço felizes. Elas apreciam os meus esforços e isso constitui a recompensa e o remédio suficientes para um antebraço dolorido.

Onde e com que freqüência você se tem apresentado?

Com o apoio de minha professora, decidi realizar um recital solo de órgão em 1994, e um recital solo de piano no ano seguinte. A partir daí o programa se acelerou. O ano mais inesquecível foi 1996. Tive apresentações em muitos lugares. No mês de fevereiro me apresentei em Guam durante o 40o aniversário da Clínica Adventista do Sétimo Dia. Dois meses mais tarde, juntamente com alguns de meus colegas da escola de música, dei início a uma turnê de recitais pela Europa. O recital mais memorável teve lugar em Frankfurt, Alemanha, no Buerguerhaus de Hausen, para o Clube da Família de Offenbach. Entre os convidados que assistiram ao recital estava um ex-embaixador das Filipinas na Alemanha, Francisco del Rosario. Posteriormente seguimos em turnê por outras partes da Europa, e em nossa viagem de retorno passamos por Bangcok, na Tailândia.

Outros concertos internacionais seguiram-se enquanto eu me valia das oportunidades de partilhar meu dom musical com a audiência, e no processo, ganhar o amor e apreciação de minha própria família.

E seus pais? Vindos de uma cultura como a sua, eles devem ter tido suas próprias dificuldades a vencer durante seus primeiros anos de infância, considerando sua deficiência física.

Minha infância foi um tanto complexa porque meus pais enfrentaram tempos difíceis para aceitar o fato de que sua filha mais velha nasceu com uma deficiência física. Eu tentava compreender a reação deles diante de meu infortúnio, embora me sentisse realmente afetada com sua frustração. No entanto, ainda sinto que de um modo ou outro sou afortunada por Deus ter-me concedido o dom de tocar piano e órgão, o que compensa minha condição.

Sinto-me feliz porque Deus tem sido tão bom para mim, permitindo que todas essas coisas maravilhosas ocorram em minha vida. Tocar me tem proporcionado tantas alegrias! E embora as coisas nem sempre ocorram do modo como desejamos, devemos sempre lembrar-nos de que tudo quanto Ele permite que nos sobrevenha tem um propósito. Deus emprega mesmo os maiores erros e o mais profundo ferimento para moldar-nos em pessoas de valor e qualidade.

Como foi sua experiência universitária?

Minha vida universitária foi para mim o período mais memorável. Comecei a relacionar-me com outras pessoas. Consegui muitos amigos e realmente passei a aproveitar a vida e partilhar minha música. Não enfrentei nenhum problema com minha fé enquanto cursava a faculdade, embora fosse uma universidade católica. Eu não precisava assistir às aulas aos sábados e os estudantes e professores respeitavam as minhas crenças.

Houve algumas pessoas especiais em minha vida, mas há alguém que desejo mencionar. Essa amiga ajudou-me a ter dignidade própria, a preencher os espaços vazios em minha vida e a manter-me perto de Deus. Ela me deu coragem para enfrentar a vida e me tem ajudado a confiar nas pessoas. Quando eu era mais nova, não podia expressar a ninguém o que sentia. Apenas conservava tudo dentro de mim. Ansiava ter a sensação de pertencer a alguém, de ser abraçada. Mas não obtive muito sucesso até conhecer minha amiga especial na faculdade. Como disse, ela tornou minha vida muito mais significativa. Sinto-me muito abençoada porque ela e outros cruzaram meu caminho.

Grace, apenas por curiosidade, por que decidiu cursar Psicologia na faculdade e não Música?

Eu sempre tive esse sonho -- ser uma missionária através da música, de algum modo à minha própria maneira, fazendo uma diferença na vida das pessoas. Acreditava que uma combinação de psicologia e música poderia ajudar-me a ser eficaz em terapia musical. Também espero poder inspirar outros com deficiências. A deficiência física não é impedimento para o êxito ou felicidade. Desejo que as pessoas percebam isso. Anseio dedicar cada minuto de minha vida a Deus. Estou certa de que uma musicista e psicóloga ao mesmo tempo pode ser realmente um grande auxílio para a realização de meus objetivos.

Pode nos relatar algo sobre terapia musical?

A terapia musical é a aplicação sistemática da música no tratamento de aspectos fisiológicos e psicológicos de uma enfermidade ou deficiência. Concentra-se na aquisição de habilidades e comportamentos não-musicais, determinados por musicistas terapeutas especializados, mediante avaliação sistemática e planejamento terapêutico.

Tem alguma palavra de conselho para os nossos leitores?

Nunca desanimem, porque Deus está no controle. Às vezes sinto que estou a ponto de desanimar, mas então oro e encontro em Deus a força, o conforto e o amor de que preciso para seguir avante. Sou grata a Ele porque sempre está ao meu lado para cuidar de mim. E o grande fato é que Ele também está aí ao seu lado. Meu cântico favorito é: "Deus Abrirá um Caminho". É verdade, Ele abrirá um caminho, mesmo que pareça não haver caminho. Eu passei por muita coisa desde a infância. Seria inevitável que alguns de meus colegas zombassem de mim e dissessem coisas que podiam partir-me o coração. Mas desde jovem tenho procurado lembrar-me de que "Deus não cria refugo", como se diz, e é isso que desejo que os jovens tenham em mente. Todos são especiais à Sua vista.



quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Os cristãos e a escolha da música

por: Alberto Ronald Timm, Ph.D em Teologia.

Toda música reflete componentes básicos da cultura ou subcultura em que foi concebida, bem como dos valores pessoais e, em certos casos, até mesmo o estilo de vida do seu compositor. Isso significa que cada música transmite uma mensagem aos seus ouvintes. Essa mensagem pode ser enunciada explicitamente através de uma letra específica ou, simplesmente, comunicada às emoções dos ouvintes através da combinação de sons.

Em sua obra How Should We Then Live?, Francis A. Schaeffer demonstra como a música contemporânea tem refletido a cosmovisão e os valores existenciais do homem contemporâneo (The Complete Works of Francis A. Schaeffer, 2.ª ed., vol. 5, págs. 195-209). Conflitos interiores, egocentrismo, sensualismo e abandono de padrões morais são alguns dos valores popularizados por grande parte da música moderna. Já desde a mais tenra idade, as crianças de nossa sociedade têm sido inescrupulosamente estimuladas, em nome da cultura e da popularidade, a substituir os valores morais do cristianismo tradicional pelo sensualismo de inúmeras canções populares, entoadas como melodias repetitivas e ritmos eletrizantes.

Embora o cristão seja ao mesmo tempo um cidadão deste mundo e do reino de Deus (ver Mt 22:21), ele não pode se esquecer de que sua cidadania celestial tem precedência sobre sua cidadania terrestre (Mt 6:33; Jo 17:14-16). Mesmo não tendo que romper com toda a música secular, o cristão deve ter em mente que o fato de uma música ser popular e culturalmente aceita não significa necessariamente que ela seja apropriada, pois nem sempre a maioria está correta. A cultura popular deve ser aceita apenas até o ponto em que não conflite com os valores bíblicos. Quando tal conflito surge, o verdadeiro cristão não hesita em romper com os componentes antibíblicos de sua própria cultura, pois, de acordo com o conceito apostólico, “antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5:29).

O subjetivismo dos gostos pessoais e o apelo da cultura popular devem ser subjugados e reeducados em conformidade com os princípios normativos da Palavra de Deus. Não apenas a letra de uma música, mas também os estímulos da própria música sobre as emoções dos ouvintes devem ser cuidadosamente analisados. O rei Salomão nos adverte: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida” (Pv 4:23).

Fonte: Sétimo Dia

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Diálogo com o violinista Jaime Jorge

A entusiástica mestria do violino de Jaime Jorge já deleitou muitas audiências ao redor do mundo. Cristão comprometido, Jaime dedicou seu talento especial ao compartilhamento do amor de Deus através de concertos clássicos. 

Nascido em Cuba, em 1970, Jaime começou tocar violino quando tinha cinco anos. Aos 10, sua família mudou-se de Cuba para os Estados Unidos, onde o jovem Jaime começou estudar com o célebre violinista Cyrus Forough, um aluno do notável David Oistrakh.

Através dos anos, Jaime tem tocado em lugares e ambientes variados, desde auditórios de colégios a igrejas e até no famoso Carnegie Hall. Ele já se apresentou perante chefes de Estado e outras autoridades governamentais ao redor do mundo, incluindo as Américas, Europa, Ásia, Austrália e Rússia. Ele faz, em média, mais de 75 concertos anualmente, apresentando-se para cerca de meio milhão de pessoas — algumas vezes chegando a 44 mil numa uma única apresentação.

Jorge obteve prêmios por cinco de seus álbuns, dois dos quais foram gravados na Europa com a Orquestra Sinfônica da Rádio Nacional Tchecoslovaca, em Bratislava. Seu álbum natalino, Christmas in the Aire, foi gravado juntamente com os 75 membros da Orquestra Filarmônica Nacional da Hungria.

Jorge graduou-se na Universidade Loyola de Chicago. Após estudar Medicina por um breve período na Universidade de Illinois, ele deixou o curso de Medicina para servir integralmente a Deus com seu talento musical. Jaime casou-se com Emily, uma talentosa cantora, em agosto de 1997. Além de atender à sua repleta agenda de concertos, Jorge é professor-associado de música na Universidade Gardner-Webb, na Carolina do Norte.

Seu pai era pastor em Cuba. Foi difícil para você, como cristão, crescer num país comunista?

Todos os jovens cristãos cubanos sofriam algum tipo de importunação e alienação. Na escola, os alunos e os professores riam de nós. Freqüentemente éramos interrogados sobre nossas crenças e desprezados por não sermos comunistas. Mesmo em nossa vizinhança, algumas crianças não nos deixavam brincar com elas devido às nossas convicções religiosas. Nunca sabíamos se nos deixariam brincar, se nos excluiriam ou se ririam de nós.

A música sempre foi importante para sua família. Sua mãe era uma talentosa musicista. Mas, por que o violino o atraiu? O que o motivou a trabalhar tão arduamente para aprendê-lo? 

Inicialmente, o que me atraiu no violino foi sua grande capacidade de comunicação: pode-se transmitir uma paixão profunda, ânimo e também ternura e afeição. Porém, o que me motivou a trabalhar de modo persistente foi o empenho de minha mãe em desenvolver o talento que Deus me havia concedido. Eu gostava de apresentações musicais, mas odiava ficar treinando. Ela me compeliu a praticar. Aprendi música com facilidade. Não me lembro de ter dificuldades como alguns ao meu redor. Mas, conforme fui crescendo, desenvolvi um desejo de me esmerar em tudo o que tocava e interpretava.

Quem mais o influenciou em sua espiritualidade? 

Meu pai. Ele sempre teve um profundo comprometimento com o Senhor e em compartilhar o evangelho (ele trabalhou como pastor até sua aposentadoria, alguns anos atrás). Sempre pude constatar que ele vivia aquilo em que acreditava e pregava.

Jaime, uma vez você disse: “Quando olho para trás em minha vida, posso ver que os pontos mais baixos e difíceis sobrevieram-me quando eu estava longe de Jesus, mas Ele nunca me abandonou.." O que você faz hoje para alimentar seu relacionamento com Deus? 

O único caminho para manter o relacionamento com Deus é passar tempo em estudo e oração. A única maneira de eu ser uma fonte de encorajamento e até de instrução para os outros é reabastecer diariamente esse manancial com Jesus. É por isso que me esforço em meu relacionamento pessoal com o Senhor. Nem sempre tenho êxito, mas é o único caminho que capacita para ajudar os outros.

Você estudou com dois dos maiores violinistas do mundo. Que outras influências inspiraram sua música? 

Minha mãe, Paul e Stephen Tucker (que cuidam dos meus arranjos e produção) e outros artistas conhecidos (tanto clássicos como religiosos) como Itzhak Perlman, David Oistrakh, Yo-Yo Ma, Plácido Domingo, Herbert von Karajan, Oscar Peterson, Van Cliburn, Quincy Jones, David Foster e Larnelle Harris. Esses são apenas alguns. Também aprecio muito compositores como Beethoven, Mozart, Chopin, Rachmaninoff e Tchaikovsky. Todos esses artistas se esforçaram para atingir o mais alto nível possível no que fizeram. É isso que também faço. E admiro, principalmente, aqueles que renunciaram à ostentação e ao reconhecimento do mundo em favor de uma vida dedicada a compartilhar seus talentos para a glória de Deus.

Apesar de seu incontestável talento e interesse pela música, você começou a estudar Medicina. Foi difícil desistir do sonho de ser médico? Você está feliz por ter escolhido a Música em vez de Medicina? Quando sentiu o chamado de Deus para exercer seu ministério em tempo integral? 

Nunca quis ser músico. Eu estava ciente da vida de sacrifícios e incertezas de um músico, especialmente de um músico cristão. Financiei algumas das minhas gravações e minha faculdade, inclusive parte do curso de Medicina, através de meus recitais. Mas logo após meu primeiro ano na Escola de Medicina da Universidade de Illinois, senti que o Senhor estava tentando atrair minha atenção. Então comecei a orar, mas não querendo realmente saber o que o Senhor tinha a me dizer. Finalmente, depois de orar durante oito meses (um pouco assustado), pedi um sinal a Deus. O sinal foi dado e então pedi um segundo sinal. Esse também foi dado e, naquele momento, decidi que deveria fazer o que o Senhor queria. Isso aconteceu em 1996. Não foi difícil desistir do sonho de ser médico, porque eu queria realmente fazer a vontade de Deus. Pensei que a Medicina era o plano divino para mim. Assim, quando tive certeza de Seus desígnios, senti completa paz. Nunca olhei para trás e lamentei esse fato ou me arrependi disso.

Você gravou vários álbuns até agora e produziu dois vídeos. Durante esses projetos, você teve muitos desafios, mas Deus sempre o ajudou. Que conselho daria aos jovens músicos que desejam gravar seu primeiro álbum? 

Desde 1987 até agora gravamos 10 álbuns. Eles começaram de modo simples, humilde e com baixo custo. O melhor conselho que posso dar a alguém que deseje gravar um álbum? Bem, primeiro escolha as composições que sinta que Deus quer que você insira em seu álbum (e isso através da oração). Segundo, escolha melodias que as pessoas reconheçam e com as quais se identificam. Muitos artistas incluem somente músicas originais, mas, como as pessoas não os conhecem, fica difícil convencê-las a comprar um álbum de músicas desconhecidas. Terceiro, comprometa-se a gravar o melhor álbum possível que puder. Esforce-se na qualidade de sua apresentação. Estabeleça os mais elevados padrões e não pare até atingi-los.

Entrevista publicada pela revista internacional Diálogo Universitário.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Sons que curam e transformam vidas

Há pouco mais de vinte anos, o violinista Paulo Torres foi visitar uma tia que estava internada no antigo hospital Saint Claire, em Curitiba, por complicações de um enfisema pulmonar. Estudioso do instrumento desde pequeno e já um profissional de renome com algumas páginas em seu extenso currículo, trouxe seu violino para entreter e acalmar a paciente. Enquanto solava algumas peças barrocas, percebeu que pacientes dos outros quartos estavam saindo ao corredor, ávidos por ouvir o som angelical que vinha daquele quarto.

Como macas e camas não comportavam a numerosa plateia, Torres começou a visitar todos os “hóspedes”, tocando sua música para os pacientes interessados. Até chegar ao quarto de uma jovem que dormia. “Ela abriu os olhos e tentou falar comigo, mas só saíram sons guturais. A mãe dela, que estava no quarto começou a chorar e a gritar, e médicos começaram a entrar no quarto. Fiquei assustado”, lembra. Não era para menos: a paciente estava havia três anos em coma e despertou ao som de seu violino. “Percebi que minha música poderia ser usada como um instrumento divino para levar consolo, paz, alegria, tranquilidade e momentos de reflexão para pessoas enfermas.”

Desde então, Torres não parou mais. O castrense de 58 anos e pai de cinco filhos encontra brecha em suas funções como professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e da Escola de Música e Belas Artes do Paraná, primeiro violinista da Orquestra Sinfônica do Paraná e membro da Academia Paranaense de Letras e, voluntariamente, toca para pacientes em diversos hospitais da cidade. Também toca em orfanatos, asilos e prisões – onde chamarem. “Mais bem-aventurado é dar do que receber”, justifica o trabalho com uma frase do apóstolo Paulo, reflexo de sua religiosidade desenvolvida na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Traz em seu repertório música erudita barroca, clássica e sacra, além de hinos das mais variadas denominações. 

Benefícios

O trabalho voluntário de Paulo Torres o levou a buscar fundamentação em uma área cada vez mais estudada na medicina: o uso da música como terapia e humanização do tratamento médico. “Existem muitos estudos que associam a música sacra e a música barroca a uma melhora física e emocional dos pacientes.”

Com o tempo, o violinista passou a mobilizar outras pessoas para o trabalho de levar a música aos hospitais. “Organizamos concerto de Natal, de dia das mães. Levamos o [coral infantil] Curumim a um Centro de Hemodiálise, a Orquestra de Câmara da PUC também trabalha conosco, sempre levando conforto e musicalidade para as pessoas”, lista.

A busca pelo tema também o levou a dar palestras em diversas cidades, tanto para pacientes quanto para a comunidade médica sobre o assunto. O trabalho voluntário, aos poucos, foi se tornando uma das missões de vida do violinista, que não esconde o entusiasmo e a paixão pelo assunto: “Tenho um antigo sonho de que Curitiba se torne uma referência, senão mundial, ao menos nacional no uso da música no tratamento hospitalar”, confessa.

A dedo

Bach, Hendel, Haydn e Mozart estão sempre no repertório de Paulo Torres. Há diversos estudos que comprovam o benefício da música clássica para pacientes em recuperação.

"Currículo"

De pacientes que se recuperaram melhor a pessoas que exalaram seus últimos suspiros ao som do violino, as histórias que acumulou com essas experiências ao lado de pianistas – uma de suas filhas entre eles, Daniella Pereira –, dariam um livro, se as datas e os locais não estivessem tão difusos. Mesmo assim, vale contar a que compartilhou com uma colega de fé.

Certa ocasião, Torres entrou em um quarto da UTI com sua filha, trazendo um teclado sobre o carrinho de alimentos, para tocar o hino adventista “Não me esqueci de Ti” ao pé da cama de uma paciente. “Ela se levantou, tentou arrancar as máscaras que a envolviam e arregalou os olhos. Me afastei, porque achei que estava fazendo mal a ela”, conta. Duas semanas mais tarde, no mesmo hospital, porém, aquela paciente encontra sua filha no corredor, a abraça e chora copiosamente. “Ela disse que estava sem nenhuma esperança. E que, na manhã do dia em que tocamos para ela, ela havia pedido para que mandasse um sinal de que Ele não havia se esquecido de sua fiel.” A prova estava justamente no hino adventista, coincidentemente um de seus favoritos.

Fonte: Gazeta do Povo

domingo, 1 de dezembro de 2013

Como a Nova Era se tornou um movimento de massa

"Porque virão muitos em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão a muitos." Mateus 24:5

Trechos do artigo A Nova Era Não É Tão Nova, escrito por David Marshall (Ph.D., Universidade de Hull), editor-chefe da Casa Publicadora de Stanborough, Inglaterra, e autor de muitos artigos e livros, incluindo The Devil Hides Out (Autumn House, 1991), New Age Versus the Gospel (Autumn House, 1993) e Footprints of Paul (Autumn House, 1995).

Que é a Nova Era?

Definir a Nova Era não é fácil. Existe uma variedade de livros sobre a Nova Era, programas de televisão, filmes e músicas influenciadas pela Nova Era. Existem numerosos adeptos da Nova Era, e os que se encontram sob a influência do pensamento da Nova Era. Contudo, muitos deles, ou talvez a maioria deles, desde 1990, têm resistido à etiqueta da "Nova Era". Deve-se admitir que há muitas faces e fases da Nova Era, e poucos aceitariam a definição que vou dar. Com efeito, algumas faces são agradáveis, e muitos adeptos estão na periferia do envolvimento e resistiriam à idéia de que a Nova Era tenha um cerne de ocultismo.






Não obstante, precisamos tentar defini-la...

A Nova Era é o sincretismo religioso por excelência; que absorve e tenta reconciliar um espectro tão amplo de crenças, práticas, teorias e superstições de muitas faces e muitos adeptos. A Nova Era:

  • Leva a bordo todo o conceito da astrologia, até o ponto de utilizar seu nome. 


  • É holística em vários sentidos. Quer ver a remoção de todas as fronteiras no mundo, tanto religiosas como nacionais, e quer unificar a mente, o corpo e o espírito num conceito integrado do indivíduo. Está comprometida com medicina alternativa e várias formas de terapia e pseudo-psicologia. Aspira ter contato com forças universais excluídas ou condenadas pela tradição judaico-cristã. 


  • Utiliza do budismo o conceito do "deus interior". A reverência que seus adeptos mostram pela unidade do ser humano e da criação, e o modo como personaliza a Natureza em expressões como "Mãe Terra", os impelem ao panteísmo. 


  • Do hinduísmo ela adota a reencarnação e técnicas de meditação. A reencarnação dispensa pecado e julgamento, oferecendo uma série de vidas nas quais se livram do "karma" negativo; e técnicas de meditação que são usadas para fazer da mente "uma posse vazia". 


  • Recicla muito do espiritismo do século XIX. Adeptos da Nova Era propõem a ideia de que "iluminados" vivos tornam-se "canalizadores" (médiuns) para "iluminados" falecidos, "mestres" ou "cristos". Assim os adeptos mais destacados terão o poder de "canalizar" algum "mestre" ou "guru" falecido.


A raiz original do movimento combinando hinduísmo, budismo e o ocultismo se encontra na Sociedade Teosófica de Mme. Helena Blavatsky, fundada nos Estados Unidos em 1875. Mas não é provável que a Sociedade Teosófica jamais tivesse mais de cem mil adeptos. Agora a Nova Era espalha-se pelo planeta como um miasma, contando milhões entre seus adeptos.

Como a Nova Era se tornou um movimento de massa?



Durante a era da Guerra do Vietnã, a geração dos anos 60 tornou-se pacifista, beatniks, hippies e filhos das flores. Os flautistas desta geração foram os Beatles. No final da década as palavras absurdas de suas primeiras canções cederam lugar a mensagens esotéricas. Tinham começado a passar verões em ashrams na Índia aos pés de gurus. No auge de sua popularidade nas nações ocidentais, George Harrison e John Lennon estavam introduzindo a sabedoria esotérica do Oriente nas melodias de seus discos vendidos aos milhões.

Subitamente o vocabulário do hinduísmo e do budismo estava na moda; reencarnação, yoga, meditação transcendental e outros. 


No começo dos anos 70, os gurus partiam da Índia para os Estados Unidos com passagem somente de ida. Em todas as nações ocidentais a canção "Hair" estava no ar. Todo mundo estava cantando "É o raiar da era de Aquário...", poucos entendendo o que significava. 

A geração psicodélica dos anos 70 aceitou as premissas dos beatniks dos anos 60, e edificou sobre elas. Qualquer um da vanguarda praticava meditação transcendental. Havia yogas para todas as ocasiões: yoga mantra, yoga sidhi e yoga tantra. A astrologia tornou-se a indústria de maior crescimento. 

Nos terrenos das universidades ocidentais mais pessoas acreditavam na reencarnação do que na ressurreição.

Com o passar do tempo, tornou-se aparente que além da religião oriental e astrologia, o ocultismo também estava envolvido no novo movimento.

Pessoas como o ocultista britânico Benjamin Creme e o cientologista norte-americano L. Ron Hubbard não podiam acreditar que suas idéias vetustas subitamente estivessem na moda. Creme cunhou o termo "Nova Era" por volta de 1977, anunciando que pelo fim do milênio a era do Peixe (cristianismo) seria substituída pela era de Aquário (a Nova Era), na qual um novo messias presidiria sobre uma nova ordem mundial.

Foi necessário o materialismo crasso dos anos 80 -- Thatcherismo, Reaganismo, o Milton Friedmanismo -- para fazer da Nova Era um movimento de massa. A cultura Yuppie era uma dieta inadequada para o espírito humano e as pessoas reagiram. Ao passo que na Europa Oriental o público passou do comunismo para o cristianismo, no Ocidente, uma espiritualidade pagã ganhava terreno. A Nova Era tinha, com efeito, se tornado uma religião bem talhada para uma geração com evidente falta de idealismo político, com opinião desgastada do cristianismo, que tinha perdido sua orientação.

Para onde vai a Nova Era?

Clipe do cantor inglês Sting
Benjamin Creme é enfático em dizer que o senhor Maitreya aguarda o momento de presidir sobre a nova ordem. Ele será, diz Creme, uma combinação do Cristo que volta, esperado pelos cristãos, do Messias esperado pelos judeus, do Imam Mahdi esperado pelos muçulmanos, o Krishna esperado pelos hinduístas e o novo Buda esperado pelos budistas. Os anos que precedem o ápice dos milênios serão decisivos. 

Em Seu sermão escatológico registrado em cada um dos evangelhos sinóticos, Jesus profetizou a vinda de "falsos cristos e falsos profetas" nos tempos do fim; bem como vindas em lugares secretos ou no deserto. Em II Tessalonicenses 2:9-12, Paulo prediz que o aparecimento do "homem do pecado" seria acompanhado por todo "poder, e sinais e prodígios da mentira" e "com todo engano".

Fonte: Diálogo Universitário

"Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos." Mateus 24:23 e 24

sábado, 12 de outubro de 2013

Como a música é percebida e afeta o corpo II

Segunda parte do artigo escrito por Hélio dos Santos Pothin, músico, Doutor em Fisiologia Humana pela UFRGS e professor de Fisiologia Humana na Universidade Federal de Santa Maria, RS. Aproveite!  

Pesquisas revelam que dentre os elementos da música, a Harmonia é percebida (torna-se consciente), predominantemente, no Córtex Auditivo do hemisfério direito do cérebro. A Harmonia é a ciência de combinar sons tocados simultaneamente de uma forma que soem bem, pois assim nosso sistema nervoso os traduz como algo agradável. Aos sons que se combinam chamamos de consonantes, os restantes são dissonantes, pois falta ordem e relação entre eles; assim, se forem percebidos pelo sistema nervoso como dissonantes (barulho ou ruído), provocam desconforto e ansiedade nos ouvintes. Em virtude da experiência diferente dos ouvintes algumas combinações de sons podem ser traduzidas também diferentemente de pessoa para pessoa. Neste caso, a interpretação pelo sistema nervoso recebe influências da cultura musical, memória e emoções[1]. A Harmonia reside em todo tipo de música, menos a puramente percussiva e ela é inerentemente intelectual (R. Jourdain. Música, Cérebro e Êxtase, editora Objetiva, Rio de Janeiro, 1998, pp. 139 e 153). Ao mesmo tempo em que o Tálamo (núcleo do sistema nervoso central que recebe, processa e encaminha as informações vindas do ambiente) direciona estes impulsos nervosos, gerados pela harmonia, para o local de percepção auditiva, também os envia para serem processados no Córtex Pré-Frontal – camada cerebral mais externa no Lobo Frontal. O Lobo Frontal é a região do sistema nervoso central responsável pela razão, pelo raciocínio, pelo entendimento, por elaborar os pensamentos (mente), as decisões, ou seja, é a região intelectual do cérebro onde podemos analisar os conceitos adquiridos e decidir entre o certo e o errado. Essencial para a consciência – onde age o Espírito Santo. 

Outro elemento da música, a Melodia, também é percebida, predominantemente, no Córtex Auditivo do hemisfério direito do cérebro. O hemisfério direito é particularmente importante na vida emocional (R. Jourdain. Música, Cérebro e Êxtase, editora Objetiva, Rio de Janeiro, 1998, p. 200). Os impulsos elétricos gerados no ouvido interno pela melodia da música são enviados pelos nervos e, através do tálamo, simultaneamente para o córtex cerebral e para o Sistema Límbico. As estruturas nervosas dessa última região são responsáveis por elaborar e desencadear os sentimentos e reações emocionais (emoções) como: alegria, tristeza, ira, reverência, saudade, romantismo, sensualidade, excitação, paz, ansiedade, medo, etc. Em virtude de sua natureza cíclica, essas emoções não são intercambiáveis nem podem ser expressas simultaneamente. Por exemplo: Quando os padrões cíclicos de impulsos nervosos chegam ao cérebro em intervalos de 9,8 segundos provocam emoção de reverência; 8,2 segundos, amargura; 7,4 segundos, amor; 5,2 segundos, alegria; 4,9 segundos, impulso sexual e 4,2 segundos, raiva. Por isso, as emoções de alegria e raiva ou reverência e alegria não podem ser expressas simultaneamente, pois seus ciclos não coincidem (Eurydice V. Osterman. O Que Deus diz sobre a Música, Unaspress, Eng. Coelho, SP, 4ª ed. 2004, p. 89)[2]. Pesquisa publicada na revista Current Biology revela que a capacidade de reconhecer emoções básicas na música, como alegria, tristeza e medo, é universal e independe de influências culturais (I. Mocaiber, E. Volchan, L. Oliveira e M. G. Pereira. Música emoção universal? Revista Ciência Hoje, Nº 259, maio de 2009). 

Um terceiro elemento da música, o Ritmo, diferentemente dos outros elementos musicais, é percebido, predominantemente, no córtex auditivo do hemisfério cerebral esquerdo. O ritmo da música tem a capacidade de influenciar os ritmos do corpo, por isso, é o elemento da música que exerce influência nos mais variados locais do nosso organismo. Entre tantos podemos citar os efeitos sobre: a liberação dos hormônios nas glândulas, a liberação de neurotransmissores nos núcleos do sistema nervoso central, a pressão arterial, as ondas cerebrais e os movimentos corporais (Laurence O’Donnell. Music and the Brain). Toda música executada com ritmo repetitivo, independentemente do instrumento que o produz, estoca energia nos músculos, fazendo com que eles se contraiam e relaxem ritmicamente a fim de liberar a energia armazenada, ou seja, produz movimentos físicos. Assim, pode ser útil para regular o passo, o tempo e a cadência dos movimentos (Revista Isto É. No. 2046 p. 68, 28/01/2009). 

O ritmo da música é classificado em dois diferentes tipos. O primeiro a ser considerado é aquele conhecido como padrões de batidas acentuadas que podem ser modificados pela síncope e outros dispositivos a fim de torná-los mais interessantes. Apresenta uma sucessão regular e altamente previsível de notas enfatizadas. Este é o ritmo predominante na maior parte da música popular no mundo inteiro. Sua marca registrada é o incessante bater de tambores. Musicólogos classificam esse tipo de ritmo como metro ou instrumental. A segunda concepção de ritmo é completamente diferente, pois varia constantemente e não tem as acentuações repetitivas e compassadas do metro. Denominado fraseado ou vocal ele é construído por uma sucessão de formas sônicas irregulares, que se combinam de várias maneiras. Este é o ritmo compatível ou concordante com o ritmo do movimento biológico natural (respiração, batimentos cardíacos, liberação pulsátil dos hormônios, ondas cerebrais, gestos) e que surge naturalmente da fala e da canção. Na música o metro dá ordem ao tempo e o fraseado confere uma espécie de narrativa. Quando um tipo de ritmo é enfatizado, ele tende a obscurecer o outro. (Robert Jourdain. Música, Cérebro e Êxtase. Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 1998, pp. 167, 170-175). 

Quando o som da música com ritmo repetitivo e acentuado (marcado), metro, alcança nosso sistema auditivo é transformado em impulsos nervosos os quais são enviados a várias partes do organismo. Assim como o som musical, os movimentos do corpo desdobram-se através do tempo e então as sensações musculares são um meio apropriado para representar padrões rítmicos. Além de estimular os músculos a produzir movimentos físicos, as descargas de impulsos nervosos produzidas por ritmos que marcam ou acentuam os tempos fracos e os contratempos (sincopado) estimulam, também, vários centros nervosos no Tronco Cerebral como o Lócus Cerúleus, responsável pela liberação do neurotransmissor Noradrenalina e os Núcleos da Rafe, que liberam Serotonina. O Lócus Cerúleus também é fortemente ativado por estímulos sensoriais novos e inesperados (Robert Lent. Cem Bilhões de Neurônios, ed. Atheneu, São Paulo, SP, 2004). Os neurotransmissores, e/ou metabólitos gerados a partir deles, quando liberados em altos níveis ou durante um tempo maior que o normal, pelos núcleos do tronco cerebral, possuem ações as quais são imitadas pelas drogas psicoativas (cocaína, nicotina, anfetaminas, etc.) no sistema nervoso central (Córtex Pré-frontal, Sistema Límbico, Cerebelo e Medula Espinhal) e podem produzir euforia, convulsões, transe, hipnose, tolerância e vício (Roger Liebi, Rock Music! The Expression of Youth in a Dying Era, Zurich, 1989; Vanderlei Dorneles. Cristãos em Busca do Êxtase, Unaspress, Eng. Coelho, SP, 3ª ed. 2006, p. 25).

A liberação aumentada de neurotransmissores como a Noradrenalina e a Dopamina produz efeitos em todas as partes do sistema límbico e do córtex cerebral. Um dos efeitos, no sistema límbico, é a estimulação do centro de recompensa (área tegmentar ventral, núcleos septais e núcleo accumbens) o que produz prazer. Tudo que produz prazer tende a ser repetido. Outro efeito ocorre na modulação da excitabilidade do Córtex Cerebral, pois, níveis aumentados de Noradrenalina e Adrenalina inibem as funções do córtex pré-frontal (razão, discernimento) (Robert Lent. Cem Bilhões de Neurônios, ed. Atheneu, São Paulo, 2004). Além disso, a Adrenalina estimula os corpos amigdalóides cerebrais, supostamente o centro do comando emocional (MuSICA Research Notes, vol. IV, edição 2, Outono de 1997: Norman M. Weinberger. The Musical Hormone). Isso pode levar à predominância das emoções sobre a razão. Quando isso ocorre, a mente não consegue mais utilizar os conceitos do que é certo ou errado, ou mesmo utilizar o comando voluntário para controlar suas ações (Vanderlei Dorneles. Cristãos em Busca do Êxtase, Unaspress, Eng. Coelho, SP, 3ª ed. 2006, p. 161). 

O ritmo repetitivo sincopado e marcado, semelhantemente às drogas psicoativas, aumenta os níveis de Neurotransmissores (Noradrenalina, Serotonina e Dopamina) e de Adrenalina no Sistema Nervoso Central e, por isso, acentua o prazer produzido pelo estímulo cerebral sobre o Centro de Recompensa. Esta sensação de prazer tende a ser repetida e, se não for repetida, o sistema nervoso central sente necessidade dela gerando, assim, a dependência. Além disso, à medida que esta sensação de prazer é repetida, um nível cada vez maior de estímulo é requerido para produzir o mesmo efeito anterior levando à tolerância (H. P. Range e col., Farmacologia, 5aed. Elsevier, RJ, 2004). A tolerância reforça a dependência e, superando o controle voluntário do córtex pré-frontal, geram o vício. Portanto, a música ativa alguns dos mesmos sistemas de recompensa estimulados por comida, sexo e drogas (Norman M. Weinberger. Revista Mente e Cérebro, Edição Especial: Segredos dos Sentidos, Ediouro, SP, pág. 53). 

Verle Bell relata: Uma das mais poderosas liberações de adrenalina, na reação de fuga ou luta, acontece na música com volume forte, ritmo e acordes discordantes. Os músicos descobriram que a música que não segue as regras matemáticas exatas da harmonia e do ritmo corporal (fraseado), faz com que o ouvinte experimente um clímax viciante. Assim como as anfetaminas causam dependência, os músicos utilizam o ritmo discordante ou sincopado para causar dependência e tolerância e assim vender bem. A mesma música que no passado criava uma sensação agradável de excitação, agora não satisfaz mais. Ela precisa se tornar mais estridente, mais intensa e mais discordante (Verle Bell. “How the Rock Beat Creates an Addiction” em How to Conquer the Addiction to Rock Music, Oakbrook, IL, 1993).

_______________________________________________________________________

[1] Estudos revelam que há um caráter inato na consonância clássica, onde a estruturação harmônica é conseguida quando os sobretons têm freqüências múltiplas do tom fundamental. Tanto é assim que bebês com poucos meses de vida, assim como, cobaias de laboratório, demonstram preferir os intervalos consonantes (harmoniosos) em relação aos muito dissonantes (intervalos de semitom paralelos) (Norman M. Weinberger. Revista Mente e Cérebro, Edição Especial: Segredos dos Sentidos, Ediouro, SP, pp. 47-53). 

Na membrana basilar da cóclea a freqüência do som é determinada pela posição da vibração e os impulsos nervosos são enviados com um padrão de periodicidade e simetria. A interpretação fisiológica psicoacústica é de que o sistema nervoso elabora o conjunto dos sinais mais facilmente quanto menor a sua complexidade. Para isso usa uma rede neural mais simples e esta circunstância gratificante é que dá origem à consonância. Os sinais de consonância clássica são preferidos, pois são mais fáceis de iniciar e decifrar e, além disso, são mais próximos dos sons complexos naturais, mais familiares ao cérebro. 

O intervalo mais apreciável pode ser identificado naquele que vai da quinta perfeita à terça maior, incluindo quarta perfeita e sexta maior. 

Gradualmente, porem, ao longo dos anos, a dissonância se tornou parte integrante do discurso musical e assumiu o papel de ressaltar as consonâncias. Ao ouvido educado desta maneira, a diferença entre dissonância e consonância tende a perder-se: as duas se integram num tecido mais heterogêneo e espesso. 

O gosto musical evolui da preferência nítida pela consonância clássica no momento do nascimento, já que esta consonância comporta reminiscências dos sons da natureza, para a exigência de estruturas mais complexas e desviantes na idade madura, quando o gosto se refina e se desenvolve (Andréa Frova. Revista Viver, Mente e Cérebro – Edição Especial No 3: Percepção – Como o cérebro organiza e traduz a realidade captada pelos sentidos. Artigo Bases da Harmonia na Música, págs. 71-77). 

Depois de analisar estes relatos e associar com a frase relatada anteriormente: “Deus não se agrada de dissonância” (E. G. White. Conselhos Sobre Música, IAE, 1989, p. 23), presumo que: se fomos criados com preferência pela consonância clássica e que quando E. White teve as visões e escreveu a respeito da dissonância este mesmo tipo de consonância preponderava nas músicas da época e, além disso, a maioria dos ouvintes na igreja tem ouvido menos educado ou menos refinado para as variações harmônicas, então a consonância clássica seria a referência para a ordem e relação de combinação de sons que seriam considerados mais agradáveis pelas pessoas do meio cristão. 

Em sua obra “Música, Cérebro e Êxtase“, o autor R. Jourdain sugere que a música dá prazer quando toda a previsão que ela insinua é satisfeita e desejos satisfeitos se tornam intensamente agradáveis. Este é o prazer proporcionado quando o organismo volta ao equilíbrio biológico percebido e influenciado pelo córtex frontal (harmonia, consonância e concordância com nossos ritmos naturais). Por outro lado, o prazer da música proporcionado por dissonâncias, sincopações, torceduras no contorno melódico, repentinos estrondos e silêncio (Música, Cérebro e Êxtase, capitulo 10, Êxtase, pág. 401), é devido ao estimulo direto no centro de recompensa (ou de prazer) do sistema límbico, sem a influência da mente (Córtex frontal), efeito este mediado pelos neurotransmissores e hormônios que favorecem o predomínio das emoções sobre a razão, ou seja, êxtase. Como expliquei no texto acima, este efeito não é condizente com a música de adoração que agrada a Deus. 

[2] Os padrões cíclicos na melodia e sua implicações para a expressão de emoções, foram identificados pelo Neurofisiologista, pesquisador e músico Manfred Clynes, que os denominou de “formas sênticas”. Wolfgang H. M. Stefani explica que a manipulação do tom e da intensidade do som na linha melódica de forma a estimular de forma previsível a expressão de uma emoção, seria a forma sêntica. Quando uma forma sêntica é bem expressa, uma melodia tem acesso direto para estimular a qualidade emocional no ouvinte sem a necessidade de simbolismo auxiliar. Assim ela pode tocar o coração de forma tão direta quanto um toque físico. 

Entendo, assim, que a maneira com que são dispostos os elementos da melodia pode estimular diferentes tipos de comportamento emocional. 

Agora uma explicação sobre como os sons são traduzidos em impulsos nervosos: 

Para nosso sistema nervoso perceber os estímulos externos, estes tem de ser transformados em impulsos elétricos (nervosos). Assim, toda e qualquer informação que chega ao ouvido deve ser transformada em impulsos elétricos, ou nas células nervosas, ou antes de chegar aos nervos. Na cóclea as células ciliadas são os receptores auditivos responsáveis por transformar os movimentos do líquido do ouvido interno, gerado pelas ondas sonoras vindas do exterior, em variação elétrica chamada Potencial receptor. A amplitude do potencial receptor vai determinar maior ou menor liberação de neurotransmissor o qual vai alterar a eletricidade da membrana dos neurônios que compõem o nervo auditivo. Esta variação elétrica nos neurônios é denominada potencial de ação ou impulso elétrico ou impulso nervoso. 

Estímulos sonoros mais fortes produzem potencial receptor maior. Estímulos mais duradouros provocam potencial receptor mais duradouro no tempo. Existem vários neurônios fazendo sinapse em cada célula ciliada e várias células em cada região da membrana basilar da cóclea. As células ciliadas onde houver maior estimulação produzirão maior número de estímulos elétricos e as células vizinhas produzirão número variado de estímulos elétricos. Portanto, quanto maior o potencial receptor maior o número de estímulos enviados num espaço de tempo (maior a freqüência de estímulos) e o sistema nervoso recebe, assim, um mapa codificado em potenciais de ação. 

No receptor (célula ciliada) ocorrem ondas ascendentes de despolarização e descendentes de hiperpolarização, conforme a onda sonora aumenta e diminui, provocando salvas (várias seqüências) de potenciais de ação (impulsos elétricos) e períodos sem potenciais de ação. O volume do som determina a amplitude maior ou menor do potencial receptor. Quanto maior o volume maior a amplitude do potencial receptor e maior o número de impulsos elétricos formados nos neurônios e mais neurônios serão estimulados. Os tons são determinados pela freqüência das ondas sonoras. As salvas de potencias de ação iniciam na fase ascendente da despolariazação do potencial receptor e cessarão na fase repolarizante. Haverá, então, uma salva de potenciais de ação em cada ciclo da onda sonora, ou a cada dois, três ou mais ciclos, dependendo do tempo que a membrana do neurônio precisa para repolarizar completamente e gerar novas salvas de potenciais de ação. A relação entre a periodicidade dos ciclos de salvas de potenciais de ação e a freqüência da onda sonora representa um código para os diferentes tons. 

Cada parte da membrana basilar na cóclea vibra com maior amplitude em resposta a uma determinada freqüência. Essa distribuição (relacionada a cada parte da membrana) é mantida até o córtex auditivo. À medida que a via auditiva (neurônios) ascende no tronco cerebral, as propriedades de respostas das células nervosas tornam-se mais diversificadas e complexas, ou seja, os impulsos nervosos sofrem influência de outros núcleos do sistema nervoso e podem aumentar ou diminuir o número, espaçar ou acelerar e agrupar os impulsos nervosos. Assim, um, Lá de 440 Hz produzirá potenciais receptores apenas nas células ciliadas nessa freqüência. Após isso, poderá sofrer modificações conforme descrito acima. 

Portanto, a cóclea transmite a informação ao longo de fibras separadas no nervo auditivo, como sequências de descargas nervosas formando um padrão ou ciclo padronizado. Esse ciclo padronizado alcança o Córtex cerebral, Sistema Límbico e outros centros nervosos. 

Entendo, assim, que as formas sênticas, ou, a forma de manipular o tom e a intensidade do som, são enviadas da forma descrita acima ao sistema nervoso central, através de padrões cíclicos de impulsos nervosos.


Como a música é percebida e afeta o corpo I

Primeira parte do artigo escrito por Hélio dos Santos Pothin, músico, Doutor em Fisiologia Humana pela UFRGS e professor de Fisiologia Humana na Universidade Federal de Santa Maria, RS. Aproveite! 

Música é a arte de combinar os sons de um modo agradável ao ouvido. O som é uma forma de energia que se propaga através de ondas de compressão e descompressão do ar. Quando essas ondas chegam aos nossos ouvidos as células ciliadas do interior da cóclea as transformam em impulsos elétricos. Esses impulsos são conduzidos pelos nervos, por isso também são chamados impulsos nervosos.

As ondas produzidas por uma fonte sonora podem ter ou não comprimento definido (freqüência determinada). Uma onda sonora com comprimento definido é transformada, no ouvido, em impulsos nervosos os quais são traduzidos pelo córtex (camada cinzenta mais externa do cérebro) auditivo como um tom. A música melodiosa e harmoniosa é formada por tons que possuem altura e duração fixas. Estas proporcionam ao cérebro condições de descobrir relações e proporções entre si e, assim, ir compondo um edifício musical (Robert Jourdain. Música, Cérebro e Êxtase, Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 1998, p. 94).

Quando uma fonte sonora envia ondas sem comprimento definido (freqüência indeterminada) nosso cérebro, indistintamente, traduz essa informação como ruído (barulho). Este tipo de som é compreendido como uma agressão e, por isso, nosso organismo se prepara para enfrentá-la na forma de uma reação de estresse.[1] Os mecanismos utilizados para isso são tão potentes que, fisiologicamente, são utilizados durante uns poucos minutos apenas, caso contrário se tornam mais prejudiciais do que benéficos ao nosso corpo.

Semelhantemente a qualquer situação de estresse, ocorre um aumento marcante na liberação dos hormônios Cortisol e Adrenalina a fim de preparar nosso corpo para a fuga ou para enfrentar a agressão (luta). Esses hormônios liberam glicose dos locais de armazenamento, diminuem a utilização de glicose nos tecidos fazendo com seu nível sanguíneo aumente; proporcionam maior fluxo de sangue para os músculos; aumentam a pressão arterial, e deprimem o sistema imunológico (diminuem a capacidade de combater doenças) (MuSICA Research Notes, vol. IV, edição 2, Outono de 1997: Norman M. Weinberger. The Musical Hormone; R. A. Rhoades e G. A. Tanner, Fisiologia Médica, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2005). O estresse é produto do hemisfério esquerdo do cérebro. Se esse lado for predominante e se não soubermos vivenciar as situações de tensão, poderemos ficar mais vulneráveis a problemas graves, como infarto ou derrame (Adriana Toledo. Saúde é Vital, ed. Abril, SP, julho 2008, p. 80).

Portanto, para nosso sistema nervoso interpretar a melodia e a harmonia da música as ondas sonoras que chegam ao sistema auditivo devem ser tons, ou seja, ter comprimento definido (freqüência determinada). Existem vários instrumentos que produzem tons: piano, flauta, violino, trompete, clarinete, etc., mas outros instrumentos, porém, não produzem tons e sim ruído: sinos, castanholas, chocalhos, pratos, vários tipos de tambores (caixa, bumbo, pandeiros, bateria, etc.).[2] Por isso, o que a maioria dos tambores faz é exatamente uma explosão de barulho (Robert Jourdain. Música, Cérebro e Êxtase, Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 1998, p. 65).

Assim, instrumentos musicais que não produzem tons, mas ruídos, aumentam os níveis dos hormônios do estresse nos ouvintes e, na relação entre os três elementos musicais analisados, somente podem ser usados para acentuar o ritmo, pois não produzem harmonia nem melodia.[3]

O volume ou intensidade do som igual ou acima de 90 decibéis gera ondas sonoras fortes, produzindo vibrações que são sentidas através de todo nosso corpo, na forma de impactos vibratórios e não apenas pelos ouvidos, na forma de sons. As freqüências mais graves têm uma influência poderosa no corpo e nas emoções (entrevista na Revista Vecko Revyn, No. 41, 1979, p.12). Quanto mais grave o som, maior o comprimento e menor a freqüência da onda sonora e mais intensa é essa influência. Portanto, sons nesta intensidade além de serem ouvidos são literalmente “sentidos” pelo organismo. Estas vibrações afetam o funcionamento dos órgãos internos e também estimulam a liberação dos hormônios do estresse (MuSICA Research Notes, vol. IV, edição 2, Outono de 1997: Norman M. Weinberger. The Musical Hormone). 




[1] A reação de estresse, organizada pelo organismo, é desencadeada sempre que um (qualquer) estímulo externo ou interno seja compreendido como agressivo, ou seja, capaz de modificar o estado de constância do meio interno do organismo (Homeostase) ou de lesar as células. Um som, mesmo com freqüência determinada, mas com intensidade suficiente para lesar as células ciliadas da cóclea, também será compreendido como agressivo e desencadeará uma resposta de estresse. Um ruído faz com que a membrana basilar da cóclea seja estimulada de forma desigual e desproporcional. Isto não é considerado normal nem benéfico para o meio interno do organismo, por isso desencadeará uma reação de estresse. A auto-preservação envolve vários sistemas (nervoso, endócrino). O mecanismo mais rápido acionado é a reação ou resposta de estresse. A resposta de alerta (faz parte da reação de estresse) visa à auto-preservação e pode ser desencadeada por sons, pela visão, olfato e mesmo tato, desde que o estímulo aplicado esteja gravado na memória como algo perigoso ou que pode lesar células ou, ainda, provoque agressão a qualquer célula do corpo. Um estímulo diferente do habitual que pode ser associado com algo nocivo também desencadeia uma reação de alerta. 

[2] Embora existam sinos e tambores fabricados de maneira que seu som tenha ondas com comprimento que pode ser considerado definido, a maioria dos sinos comuns e tambores não produzem ondas sonoras com comprimentos definidos. A Física considera que estes instrumentos produzem ondas sonoras não tão definidas quantos outros instrumentos. Seria um som ainda “sujo” e, portanto, não considerado junto com instrumentos capazes de, na maioria das vezes, produzir sons bem definidos. 

[3] Embora os instrumentos de percussão também possam ser usados para criar efeitos sonoros, ao invés de ritmos, estamos analisando e comparando, no contexto, os três elementos da música: harmonia, melodia e ritmo. Assim, ruído estaria relacionado somente ao ritmo e não à melodia ou harmonia. Além disso, mesmo efeitos sonoros, quando produzidos com ruídos, aumentam os níveis de estresse. 


Fonte: Música Sacra e Adoração

terça-feira, 20 de agosto de 2013

O encontro com a Verdade

Apesar de uma carreira de sucesso consolidada no exterior, das muitas turnês e vários CDs gravados, um vazio existencial profundo e permanente inundava seu viver. A cantora Ana Caram, em entrevista concedida ao programa 180 Graus, divide experiências e reflexões acerca do falso sucesso no passado e da plena felicidade vivida no presente, ao experimentar o caminhar diário ao lado de Cristo. Confira! 



segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Uma cultura destrutiva

por: Daniel Azevedo

“Arte dos sons” é uma das definições mais comuns para o termo música. De acordo com o dicionário Michaelis, música é a “arte e técnica de combinar sons de maneira agradável ao ouvido”. No entanto, para onde vai essa arte quando o som é mal utilizado a ponto de se tornar não somente desagradável, mas perigoso para a audição? Deveria a arte dos sons prejudicar os órgãos utilizados na percepção e apreciação dos mesmos sons? Certamente não.

Em 14 de setembro de 2006, o jornal Zero Hora trazia a seguinte declaração do guitarrista inglês Eric Clapton:

“Minha audição está arruinada e, se paro para escutar, ouço uma espécie de assovio constante em meu ouvido. Acho que sofro de tinnitus. Provavelmente toquei diante de alto-falantes com cem watts de potência. Foi uma loucura.”

Na semana seguinte, a revista Veja publicava a mesma declaração, enquanto o jornal Zero Hora retomava o assunto com este comentário do médico otorrinolaringologista José Seligman, intitulado A Surdez do Guitarrista:

“O guitarrista britânico Eric Clapton fez uma declaração pública que, seguramente, vai contribuir para a prevenção da surdez devida a ruído de forma muito mais efetiva que todos os trabalhos científicos sobre este assunto publicados na última década. [...] Na verdade sua doença é bastante comum, sendo conhecida sobremaneira por otorrinolaringologistas, médicos do trabalho e fonoaudiólogos e designando-se, no Brasil, como PAIR – perda auditiva induzida por ruído). Desde 1993 há um esforço por parte dos profissionais para convencer as pessoas que vivem sob efeito do barulho de que, de uma forma ou de outra, não podem se descuidar de sua proteção. [...] Trata-se de uma inversão de valores. O fumo, o álcool, as drogas, o ruído, entre tantos outros agressores conhecidos, merecem uma avaliação mais correta por parte da população. Mas parece que as pessoas só se conscientizam de seus efeitos danosos quando uma personalidade como o guitarrista inglês vem a público para denunciar.”

Nessa mesma época, havia um colega de trabalho que estava sofrendo com o seu recém-diagnosticado tinnitus, fruto da exposição contínua ao ruído em ensaios com bandas de rock na sua juventude. Lemos o texto acima, no dia de sua publicação. Lembro-me claramente do desconforto expresso em seu semblante, causado pelo zumbido, enquanto pronunciava a seguinte frase: “Esta é uma cultura destrutiva”.

A realidade profissional do instrumentista em diferentes contextos musicais o expõe a estes perigos para a audição, infelizmente. Como exemplo, posso citar a minha própria experiência com a música popular ao longo de dez anos (de 1995 até 2005), dos quais os seis últimos foram os de maior exposição a volumes extremos. Foram muitas horas despendidas em ensaios, passagens de som e shows, além do tempo de permanência em eventos com música mecânica em níveis de volume excessivamente altos. Por vezes, procurei reduzir o desconforto e a dor nos ouvidos com algodão ou com diferentes tipos de protetores auriculares (earplugs), mas sem alcançar resultados efetivamente satisfatórios. Uma audiometria realizada durante este período já revelava certo grau de perda auditiva.

Mesmo hoje, após alguns anos de férias para os tímpanos, os sintomas de uma audição prejudicada já começam a surgir, lentamente. Meus cuidados têm sido redobrados, evitando a permanência em locais com muito ruído ou música alta, pois pretendo preservar ao máximo o que ainda resta desse maravilhoso sentido.

Este é um assunto que merece profunda reflexão e exame de valores. Com cuidado e bom senso, posso escolher abandonar o que me prejudica e ficar com a música que não agride, mas beneficia o corpo, o intelecto e as emoções. Lembre-se de que estamos inseridos numa “cultura destrutiva”, que nos cerca e consome.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

A história de Ivor Myers

Nascido na Jamaica, Ivor Myers cresceu nos Estados Unidos, sendo fortemente influenciado pelo cinema e outras mídias. Na década de 1990, como integrante do grupo de hip-hop norte-americano Boogiemonsters, conheceu os caminhos da fama, assinando um contrato com uma gravadora mundialmente conhecida, a EMI Records.

Mesmo vivendo em meio às celebridades da indústria fonográfica, mergulhados numa rotina de shows e gravações, Ivor e seu irmão Sean foram atraídos para as revelações das Escrituras e para o seu Autor, Jesus Cristo.

No livro Novo Ritmo (Casa Publicadora Brasileira, 2012), o ex-artista de hip-hop revela sua trajetória de sucesso e renúncia, apontando as armadilhas do mundo do entretenimento. Neste vídeo (em inglês) o autor relata sua história.




sexta-feira, 12 de julho de 2013

A peregrinação musical de Brian Neumann

Brian Neumann abandonou o mundo do rock há cerca de 18 anos. Dedicou-se a pesquisar a influência e o poder da linguagem da música sobre as pessoas. Nos últimos anos, dirigiu seminários sobre apreciação musical na África, Europa e América do Norte. Acompanhe seu testemunho. 

por: Brian Neumann

A fuga do rock


"Minha peregrinação espiritual do rock para a Rocha dos Séculos é uma história dolorosa de vício, autodestruição e redenção.

"Meus pais eram missionários adventistas do sétimo dia. Portanto, pareceria quase um absurdo que seu filho mais moço, criado no coração da África, mergulhasse no mundo do rock.

"Todavia, isso aconteceu. Não súbita, mas gradualmente. Teve início quando, em companhia de alguns amigos, passei a ouvir certas músicas. Um cântico levou a outro e finalmente meus talentos naturais para a música e a arte foram canalizados para o sonho irreal e psicodélico do rock. Acabei sendo fisgado. O poder, as vestes, a fama e a presença mundial da revolução do rock cativaram-me. Logo me vi separado do mundo espiritual e da fé de meus pais. Uma nova era, uma nova cultura, tinham-se apoderado de minha vida, como ocorrera com a vida de tantos outros.

"Logo passei para um estado permanente de rebelião. Nas palavras de um pop star do rock, David Crosby, 'imaginei que a única coisa a fazer era roubar seus meninos... Ao dizer isso, não estou falando de seqüestrar, mas de mudar o sistema de valores, que os remove muito efetivamente do mundo de seus pais'.

"O rock afastou-me efetivamente do mundo de meus pais. Enquanto ainda adolescente, fugi do internato e de casa, fui preso por uso de drogas e prática de roubo, além de envolver-me em lutas corporais com colegas e professores.

"Meu sonho era aprender a tocar violão, coisa que fiz a toda pressa a fim de conquistar o 'mundo deslumbrante de sexo, drogas, moda e rock’n’roll'. Eu sabia que o rock era exatamente isso. O próprio empresário dos Rolling Stones havia dito inequivocamente: 'Rock é sexo. Você precisa impressionar os adolescentes com isso'.

"O rock e a cultura popular apregoavam ao meu subconsciente que não havia nada de errado com sexo pré-conjugal. O resultado tornou-se evidente em 1980, um ano após terminar o ginásio. Tornei-me, então, pai de uma criança."

Entrando em cena


"Despontei no cenário musical local. A banda de que fazia parte chamava-se Front Page e se apresentava na televisão; nossa música era também tocada em algumas estações de rádio. Contatos com um produtor musical logo acrescentaram avanços à minha carreira. Tornei-me bom amigo de Manlio Celloti, dos estúdios HI-Z, que logo formou um grupo de três membros. Depois de gravar durante um ano em estúdios, estávamos prontos para viajar para além-mar.

"Após três meses de estada na Alemanha, nossa banda de pop e rock, The Reespect, firmou contrato com a Polydor Records, de Hamburgo. A gravadora lançou nosso disco She's so Mystical em setembro de 1986. Esse lançamento abriu novas portas. A banda foi convidada a fazer parte de uma coleção alemã de LPs, com artistas do calibre de Janet Jackson e Elton John.

"A vida se tornou uma miragem constante de programas, sessões de estúdio, entrevistas, mulheres, drogas e mais drogas. A essa altura, minha condição moral tinha-se deteriorado a tal ponto que nenhum tipo de vício me era estranho. Nesse meio tempo, o sucesso de nossas gravações produziram desavenças entre os membros da banda, e finalmente nos separamos.

"Um dia depois de uma maratona de estúdio e uma orgia de drogas, acordei com o rosto no chão de um banheiro frio, na casa de uma vocalista de Hamburgo. Estava me afogando em meu próprio vômito, lutando pela vida. Contudo, achava-me bastante consciente para invocar o Deus de minha juventude, a quem eu havia esquecido há muito.

"Ele, porém, não me tinha olvidado ou abandonado. Algo miraculoso ocorreu naquele dia. Meus rumos haviam provocado uma reviravolta importante, mas esse foi apenas o começo de uma viagem tortuosa, durante a qual experimentei muitas recaídas no rock, antes de libertar-me desse vício infame."

A volta à sanidade


"Retornei à África do Sul resolvido a livrar-me de meu passado pecaminoso e iniciar uma nova vida. Decidi seguir o exemplo dos músicos cristãos contemporâneos, usando meu talento na execução de versões modificadas de rock como meio de testemunhar.

"Logo reconheci que não havia diferença significativa entre o rock secular e sua versão 'cristã', independentemente da letra. Música cristã contemporânea que se conforma com os critérios básicos do rock não pode ser usada legitimamente como música de igreja. A razão é simples: o impacto do rock ocorre pela música e não pela letra.

"Esse pendor pelo rock através de seu 'primo cristão' resultou em nova queda. Comecei a fazer concessões à espécie de música que eu tocava. O compromisso era fácil porque tudo o que eu tinha a fazer era mudar a letra. O estilo musical permanecia o mesmo. Retornei gradualmente à escuridão total e retomei rapidamente minha trajetória roqueira em Cape Town.

"Numa de minhas apresentações ao vivo conheci Sue, que haveria de se tornar uma parte muito importante em minha vida. Sue e eu assistimos a seminários de profecia realizados em nossa cidade. Como resultado, fomos batizados na Igreja Adventista. A verdade recém-encontrada satisfazia nossas convicções. Contudo, três meses mais tarde estávamos fora da igreja. O rock ainda estava em minha alma. Antes que me desse conta, eu estava mais uma vez deslizando para o mundo da música popular.

"Então formei minha própria banda, que recebeu o nome de Projeto Caim, um nome apropriado para meu desalento espiritual. Eu estava ocupado gravando com o pianista Duncan Mckay, da famosa banda 10 CC, quando fui chamado até Port Elizabeth, mil quilômetros ao norte de Cape Town. O contrato requeria um programa de três meses. Fui contratado como solista, trabalhando seis noites por semana numa das boates mais famosas da cidade.

"Port Elizabeth tornou-se a etapa final de minha peregrinação. Aluguei uma casa perto de uma praia isolada. Como trabalhava de noite, tinha tempo durante o dia para passear ao longo da praia e refletir sobre tudo que se passara em minha vida durante os últimos anos. Senti o Espírito Santo falar-me como nunca antes. Examinei os recessos mais íntimos de minha mente confusa. Às vezes as verdades ocultas de minha alma ferida eram duras demais de se enfrentar. Mergulhei em angústia e vergonha, e permiti que as lágrimas de arrependimento umedecessem as manchas de meus pecados. Por vezes sentia a admoestação e o consolo do Espírito, trazendo cura espiritual à minha vida.

"A porta da aceitação de Deus parecia aberta. Ousadamente entrei por ela, deixando atrás meu passado escuro. Ao voltar para casa, em junho de 1994, Sue e eu tomamos a decisão de que, pela graça de Deus, não haveria mais retorno ao mundo do rock. Cortei toda ligação com ele. Seis meses mais tarde nos casamos e desde então temos dedicado nossas vidas a um ministério especial em favor daqueles que buscam escapar do poder hipnótico do rock."

Como fazer decisões enérgicas em relação à música


1. Decida sobre o que constitui boa música, na base de informação concreta e não sob pressão de colegas. Você não terá de sacrificar seu gosto pessoal ou preferências especiais. Elas simplesmente devem tornar-se santificadas e refinadas.

2. Considere suas novas escolhas musicais como sendo uma aventura, um processo de descoberta. Tome tempo para definir e refinar seu gosto. Você descobrirá que aquilo que considerava a única opção em música era apenas uma pequena fração da boa música disponível.

3. Escute cuidadosamente as palavras para determinar se são ou não boas do ponto de vista espiritual. Embora haja distinção entre a música e a letra que usamos para os cultos e as outras dedicadas ao entretenimento pessoal, o conceito básico de escolher aquilo que é puro e enobrecedor permanece o mesmo (ver Filipenses 4:8).

Fonte: Diálogo Universitário

"Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar." I Coríntios 10:12 e 13