"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." - Romanos 12:2

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A música torna-se um laço

por: Pr. Areli Barbosa



A música torna-se um laço. 

O que Ellen G. White diz sobre a música, irá acontecer entre nós antes do fechamento da porta de graça.

"As coisas descritas como ocorrendo em Indiana, o Senhor revelou-me que se tornariam realidade imediatamente antes da terminação do tempo da graça. Tudo que é estranho será exaltado. Haverá gritos com tambores, música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se poderá confiar neles quanto a decisões retas. [...]

"Uma balbúrdia de barulho fere os sentidos e perverte aquilo que, se devidamente dirigido, seria uma bênção. As forças dos agentes satânicos misturam-se com o alarido e barulho, para provocar um carnaval, e isso é chamado de ação do Espírito Santo. [...] Essas coisas que aconteceram no passado hão de ocorrer no futuro. Satanás fará da música uma armadilha." ME2, p. 36, 38 (1900) 

"Não demos lugar a essas estranhas tensões mentais, que afastam na verdade a mente das profundas atuações do Espírito Santo. A obra de Deus sempre se caracterizou por calma e dignidade." ME2, p. 42 (1908)

Isto tem me levado a orar e refletir. "Satanás fará da música um laço."

Peça a Deus que este laço não atinja você.

Obs: Se você tem dúvidas sobre o padrão musical a seguir, leia o documento de música publicado no blog: pastorarelibarbosa.blogspot.com.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Mercado idiotizado III

por: Pr. Douglas Reis


Louvor Midiático

O sucesso de programas como American Idol e The Voice, revivendo os antigos shows de calouros, é um fenômeno mundial. Interpretações efusivas (para não dizer histriônicas) de músicas consagradas ganham as mídias sociais, espalhadas pelo Youtube, Facebook e Twitter. Quando se pensa no gênero pop, adotado pelosreality shows musicais, sem se restringir a eles, estamos diante de um padrão altamente disseminado nos canais convencionais, como programas de TV e FMs, e mesmo aplicativos de streaming, tais como o iTunes ouGoogle Play. Nós nos deparamos com a música pop em cada filme, série e clipe. Seu poder de atração não pode ser questionado ou subestimado. 

Consumir essa música altamente estimulante e com viés sensual como forma de entretenimento representa vários riscos para os cristãos. Primeiro, o risco de assimilar pensamentos, conceitos e estilo de vida claramente mundano, diferente daquele ensinado pela Palavra de Deus. Segundo, adquirir um gosto por esse padrão de música, o que levaria a uma forma específica de rejeitar o estilo de vida cristão: a rejeição da música cristã. Compensa pensar sobre as consequências desse último aspecto.

Quando a música secular se torna o padrão para o cristão, dificilmente ele sentiria prazer em cantar os hinos cristãos tradicionais, seja em sua devoção particular ou mesmo no culto público na igreja. Simplesmente, os hinos soarão como cantigas inocentes, ou algo absurdamente antigo. E talvez poucas coisas aborreçam tanto algumas pessoas como algo desatualizado. Será preferível trocar as antigas canções dos hinários cristãos por música contemporânea, de viés cristão. Mesmo que você não seja um sociólogo da religião, será capaz de notar como a música pop cristã nem choca mais os adoradores contemporâneos: no caso particular dos adventistas, em pouco mais de duas décadas, eles se acostumaram com o novo paradigma.

Em nossos congressos, cultos especiais e mesmo nas reuniões regulares, a música cristã contemporânea, antes empregada sob a alegação de atrair e agradar aos jovens, já atingiu alcance congregacional, abarcando indivíduos das mais diversas gerações. Seu alcance, aceitação e a facilidade como dissemina ideias cristãs (ainda que de forma genérica, na maior parte dos casos) são as justificativas mais comuns dos defensores desse gênero de música.

Entretanto, seria, no mínimo, fato suficiente para nos causar mal-estar saber que há poucas décadas os adventistas se indignavam (acho que o termo descreve bem a reação) com as demais denominações por usar música popular na adoração. Evocava-se o fato para ressaltar que o mundanismo entrara nas igrejas evangélicas, enquanto ainda mantínhamos princípios bíblicos aplicados a música. Hoje, o quadro sutilmente se alterou: não ousamos mais demonstrar indignação. Há uma reciprocidade suspeita entre a forma como recebem nossos músicos e como recebemos cantores de outras denominações. Talvez não haja mais linhas divisórios tão profundas que identifiquem o que há décadas se chamava música adventista.

Precisamos de música nova, que exemplifique nossa doutrina, que criativamente explore aquilo que cremos. Não creio que a criatividade oriunda do Espírito Santo haja se esgotado, após profusamente abençoar autores de hinos de séculos e décadas anteriores. O problema está em nivelar a contribuição necessária para este tempo por padrão de música secular. Fazendo assim, transmitiríamos nossa mensagem na letra, todavia não na forma, associada a valores não cristãos, como satisfação própria, êxtase sensual e violência.

Se a música pop, surgida com a diluição e massificação do estilo rock’n’roll, nasceu em meio a revoluções de valores, liberdade sexual e expressão de uma juventude que queria mais liberdade, é impossível fazer uma avaliação positiva de seus constituintes desde uma perspectiva cristã. Música pop é o coração do homem contemporâneo colocado em notas musicais – e não precisa conhecer tão profundamente a Bíblia para saber qual a avaliação feita pelo Senhor acerca de nosso coração natural (Jeremias 17:9). Se veicularmos a essa estética a nossa mensagem, corremos o risco de distorcemos o que Deus tem a dizer a toda uma geração.


sábado, 9 de janeiro de 2016

A música nos últimos dias IV

Karl Tsatalbasidis viveu no cenário do jazz e do rock por vários anos como um baterista bem sucedido, até que foi resgatado pelos sons simples das palavras de um Carpinteiro. Depois de entregar sua vida ao Senhor, compreendeu o que significa louvar a Deus através da música. Agora ele ensina pessoas em todo o mundo acerca das verdades bíblicas a respeito da música na igreja, bem como em nossas vidas cotidianas. Sua educação musical e sua carreira fazem dele um especialista nas raízes do rock e do jazz

Neste vídeo, Karl discute em detalhes um dos assuntos mais polêmicos na igreja da atualidade. Muitos descobriram que alterar o estilo de música, em um esforço para conquistar novos membros ou mesmo para manter os membros existentes não levou suas igrejas aos resultados desejados. Há algum problema com a adoração e a música na igreja? Isso realmente importa? O que os cristãos dos últimos dias devem fazer com relação à música, se desejamos seguir completamente a vontade de Deus? Karl usa as experiências de seu passado como baterista e suas experiências pastorais, para nos dizer, com base na Bíblia, o que Deus deseja que façamos.

Karl Tsatalbasidis escreveu um livro intitulado Drums, Rock, and Worship, que explora o complexo relacionamento entre a igreja de hoje e a música moderna na adoração, especialmente a questão do uso da bateria. O uso do rock no louvor é justificável ou é um comprometimento perigoso? Um chamado à reforma, que mudará atitudes e ganhará corações a partir da história pessoal e emocionante de um conhecedor da indústria musical.








Fonte: Música Sacra e Adoração

A música nos últimos dias III

Karl Tsatalbasidis viveu no cenário do jazz e do rock por vários anos como um baterista bem sucedido, até que foi resgatado pelos sons simples das palavras de um Carpinteiro. Depois de entregar sua vida ao Senhor, compreendeu o que significa louvar a Deus através da música. Agora ele ensina pessoas em todo o mundo acerca das verdades bíblicas a respeito da música na igreja, bem como em nossas vidas cotidianas. Sua educação musical e sua carreira fazem dele um especialista nas raízes do rock e do jazz

Neste vídeo, Karl discute em detalhes um dos assuntos mais polêmicos na igreja da atualidade. Muitos descobriram que alterar o estilo de música, em um esforço para conquistar novos membros ou mesmo para manter os membros existentes não levou suas igrejas aos resultados desejados. Há algum problema com a adoração e a música na igreja? Isso realmente importa? O que os cristãos dos últimos dias devem fazer com relação à música, se desejamos seguir completamente a vontade de Deus? Karl usa as experiências de seu passado como baterista e suas experiências pastorais, para nos dizer, com base na Bíblia, o que Deus deseja que façamos.

Karl Tsatalbasidis escreveu um livro intitulado Drums, Rock, and Worship, que explora o complexo relacionamento entre a igreja de hoje e a música moderna na adoração, especialmente a questão do uso da bateria. O uso do rock no louvor é justificável ou é um comprometimento perigoso? Um chamado à reforma, que mudará atitudes e ganhará corações a partir da história pessoal e emocionante de um conhecedor da indústria musical.








Fonte: Música Sacra e Adoração

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

A música e o sobrenatural IV

No vídeo a seguir, o pianista haitiano Hudson Pierre conta como Deus curou sua mãe e como decidiu dedicar suas mãos e sua música à glória de Deus somente. 


Hudson descreve experiências com possessões, perseguições e ameaças de pessoas envolvidas com feitiçaria no Caribe. Esse instrumentista recebeu propostas de sucesso e riquezas em curto prazo. Porém, havia uma condição: misturar jazz e outros gêneros populares à música de adoração a Deus. Confira e reflita sobre esse interessante testemunho.



quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Música Cristã Comercial

Primeiro vídeo de uma série de palestras sobre música cristã contemporânea com uso de ritmos e arranjos comerciais. Com Christian Berdahl e Coby Berdahl. Aproveite!




Fonte: TV Terceiro Anjo